quarta-feira, 17 de março de 2010

Mães combatem "ditadura do rosa"

Duas mães inglesas declararam guerra ao que chamam de "rosificação" (a onipresença da cor rosa no universo das meninas), um fenômeno relativamente recente que vai além da cor e que, segundo elas, limita as aspirações das pequenas.
Emma e Abi Moore, duas irmãs gêmeas de 38 anos, lançaram a campanha no blog PinkStinks (Rosa é uma droga) em 2008 para desafiar a cultura do rosa baseada na beleza, em detrimento da inteligência, que é imposta às meninas praticamente desde o berço.
"Queremos abrir os olhos das pessoas para o que está se passando no marketing dirigido às crianças", explica Emma Moore, que critica duramente a tendência rósea que vai da moda até os brinquedos. "Queremos que as meninas saibam que podem ser tudo que quiserem ser, independente dos que os fabricantes queiram vender para elas."
As empresas investem 100 bilhões de libras (US$ 160 bilhões) anuais apenas no Reino Unido em publicidade para conquistar o lucrativo mercado das crianças, ávidos consumidores futuros, segundo um estudo governamental publicado na semana passada.
Basta entrar em qualquer loja de brinquedos para perceber a monocromia que reina nas seções para meninas. O rosa não é apenas a cor das bonecas e fantasias de princesa, mas também das bicicletas, telefones e até mesmo brinquedos até então unissex.
"Isso nem sempre foi assim. Nos anos 70, quando crescemos, o Lego era apenas o Lego, com todas as cores", afirma Emma. "Agora o Lego para as meninas é rosa e tudo gira em torno de cavalos alados e fadas. Isso não é natural."
Também existem versões cor de rosa do jogo de palavras Scrabble, com a palavra "fashion" (moda) formada na tampa da caixa, e do Monopoly (Banco Imobiliário), onde as casas e hotéis foram substituídos por lojas e shopping centers.
Segundo as militantes, até pelo menos a Primeira Guerra Mundial o rosa era a tonalidade dos meninos, enquanto o azul claro era considerado mais apropriado para as meninas. Para elas, a "rosificação" extrapola a cor.
Os brinquedos para as meninas reproduzem em sua maioria atividades consideradas femininas, como o cuidado de bebês, a limpeza da casa e cuidados com a beleza, o que incute nelas cada vez mais a atual "obsessão pela imagem".
"Muitos desses produtos parecem bastante inofensivos, mas se somam a essa cultura de celebridade, fama e riqueza, que está danificando as aspirações das meninas sobre o que podem ser", assinala Emma.
A campanha, que conta com milhares de seguidores no Facebook, gerou polêmica no Reino Unido, onde um jornal classificou as irmãs Moore de "feministas severas e sem senso de humor".

Esta matéria foi publicada pela Folha de S. Paulo no dia 22/12/2009.

7 comentários:

Lilian disse...

Olá querida amiga Carla,

Parabéns pelo lindo blog e pelo post, com excelente texto.

Tendo a apoiar em parte a iniciativa das mães inglesas. O rosa, apesar de uma cor suave, em vários tons, do pastel ao vibrante pink está muito rotulado pelo marketing dirigido às crianças, desde bebês.

Lendo essa matéria, percebi que tenho uma neta de 3 anos, que até hoje, nunca a vi com roupas que não fossem da cor rosa. Mesmo as que dei de presente, de outra cor, foram trocadas por rosa, nas várias nuances. Acho que é mesmo um pouco exagerado esse "culto" ao rosa para as meninas. Elas ficariam lindas com outras cores também.

Carinhoso e fraterno abraço,
Lilian

Chris Ferreira disse...

Oi Carla,
adoro o seu blog. Játinha passado por aqui antes e agora recebi a sua apresentação no Mulheres na Rede.
Aqui em casa variamos bastante as cores.
beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com/

Anônimo disse...

Carla,
Sensacional, mais uma boa matéria para nós refletirmos!
Carinhosamente,
Carmen

18/03/10

Anônimo disse...

Carla,

Mais uma boa leitura para nós refletirmos!
Carinhosamente,

Carmen
18/03/10

CCMaia disse...

Carlinha, ñ sei se é caso p tanto. Td bem que marketing usa o mecanismo de comportamento condicionado (aquela história de fazer o cérebro responder a estímulos), por outro lado as crianças crescem e começam a revelar e impor a própria personalidade. Faz parte do desenvolvimento normal, dá p perceber isso em casa nos nossos próprios filhos. Há 1 montão de estímulos externos. Cantores, por exemplo, tendem a influenciar comportamentos, desde as roupas, corte de cabelo e até postura (ex: Avril Lavigne). Minha filha em criança era atraída pelo rosa e derivados, mas c 11 anos já houve uma revolução nos seus gostos. No momento estamos redecorando seu quarto e o amarelo vai ser a cor predominante. Diria q as mães respondem mais fortemente ao rosa q as filhas. Pela educação talvez, (simbologia coletiva: rosa menina, azul menino). Isso é até surpreendente, afinal estamos no sec. 21. As novas gerações quebrarão esses conceitos.

Mamãe caprichosa disse...

Oi Carla! Eu concordo com você...talvez essas inglesas estejam exagerando no ponto contrário, mas que as meninas e as "MÃES" das meninas passaram a super valorizar o rosa, isso não tem como negar!! Eu tenho 36 anos e quando era criança não tinha essa paranóia rosa...usavamos de tudo. Não ficávamos limitadas a essa monocromia!!
Tudo hoje em dia é marketing, e de uma jeito ou do outro acabamos sendo levados pela mesma corrente!!
Eu postei esse artigo para fazer as mamães pensarem e, derepente, cortarem um ou outro exagero!!No meu caso e da minha filha, o rosa nunca foi a cor predileta, apesar de termos peças da dita cor!!! Usamos tudo...
Um abração
Carla

Bebete disse...

Adoro o rosa, mas, concordo que tem gente que exagera! Tods as outras cores podem ser femininas, ñ só o Rosa...