quinta-feira, 1 de julho de 2010

Manifesto a favor da Maternidade - parte1


MANIFESTAMOS PELA MATERNIDADE

Manifestamos pelo direito de cada mulher escolher o papel que melhor lhe cabe no momento. Sem se sentir pressionada, desmerecida ou julgada pelo que decidiu não ser.
Manifestamos por parir de forma saudável, humana e tranquila e que essa seja uma decisão consciente da mãe. Amparada por uma equipe de profissionais da saúde que a respeitam, orientam, acompanham e zelam pelo bem estar dela e do bebê.
Manifestamos pelo direito de amamentar a cria, sem ser pressionada por profissionais da saúde mal formados ou parentes bem intencionados, a substituir por mamadeira, o alimento que só o seu peito pode dar.
Manifestamos pela aceitação da metamorfose e da mudança de valores que a chegada de uma criança proporciona na vida de qualquer adulto. E pela valorização desta transformação na sociedade, como contraponto para a cultura do egoísmo e da juventude eterna.



MANIFESTAMOS PELO ATIVISMO ANÔNIMO E INCANSÁVEL DAS MÃES

Nas trincheiras domésticas de uma sociedade cada vez mais dominada pelas leis cruéis do mercado.
E apoiamos as mães que questionam. Que boicotam.
Que compram e deixam de comprar. Que sabem o que servem à mesa e o que jogam no lixo.
Que desligam a TV, controlam o videogame e a quantidade de açúcar.
Mães que tentam proteger a infância e não desistem diante do bombardeio de mensagens que estimulam a erotização e o consumo precoces.
Mães que empreendem, que inventam, que abrem mão, que buscam alternativas, que assumem o vazio e a sobrecarga. E promovem viradas.
Mães que brigam por uma escola melhor, mais humana e significativa; pública ou privada.
Que pensam globalmente e agem localmente, casa a casa, família a família.
E que administram seus lares, como se ali começasse a mudança que desejam para o planeta.


Achei a ideia do manifesto uma iniciativa brilhante. Precisamos valorizar nossa missão e, lutar cada vez mais por uma maternidade consciente, feliz e eficiente. Nossa responsabilidade é grande. Estamos criando pessoas, cidadões do futuro.
Procure agir de acordo com sua consciente, não de acordo com o que o mundo diz. Nossas crianças precisam de nós mais do que nunca....
Ajude a espalhar essa manifesto!

Uma iniciativa do http://www.grupocria.com.br/ 

2 comentários:

Sissym disse...

Carlinha, para as mães de verdade, aquelas que cuidam, que poe a mão na massa sem delegar, isso cai muito bem. Eu tenho muitas amigas que são mães, se preocupam, mas todo o cuidado recai sobre babas que ganham mais do que médicos formados. Eu lembro que ia para a pracinha com minha filha, ficava sem graça no meio de um bando de babas falando mal das patroas e sem cuidar de fato da criança solta e/ou chorando no parquinho.

Realmente não ficamos plenas nem lá nem cá mais porque muitas sentem falta de apoio, este apoio fundamental seria alguem muito proximo como maridos. Os que são pais de verdade, são maravilhosos, mas tem os que puseram no mundo e nada mais.

Eu queria ser mãe, sou feliz por isso, não esperava muito de um homem, assumi o risco, não lamento pela opção que fiz, era o que sonhei. Só o meu desfecho que não é o melhor, mas tudo bem.

Bjs

C C Maia disse...

Carlinha: Criar futuros cidadãos!
É assim mesmo q encaro papel de pai e mãe e comento c as crianças, chamo a atenção, dou exemplo, q estou ensinando e mostrando caminhos mas tb aprendendo c eles e com tudo, c a vida, q nem eles pq é assim q tem de ser, um eterno aprender a ser gente, em primeiro lugar p o mundo ser um lugar cd vez melhor p todos nós.

Tenho a sorte de ter um companheiro maravilhoso q pensa igual, um pai/mae, q dividiu/divide comigo todos os cuidados em td, só n pariu nem deu o peito pq a natureza escolheu esse papel p a mulher.

Acho q o exemplo p uma criança é o q há de melhor na educação, pq criança faz o q vê fazer e n o q falam por falar.